The day after / O dia seguinte

It is sand, but it might very well be treacle. The legs keep on skidding in the grainy darkness, while he tries to find shelter for the night. He could have tried to dig a burrow, but the freezing wind of the desert whirls around him in a tiny frosty hurricane. The best bet right now is finding a hole or a cave before a famished tongue finds him first.

“But morning will come, and everything will be all right,” he says.

He can almost feel the warmth of the first rays of the dawn going through his shiny armor,  the relief while stretching his legs and claws in the glorious light. But right now he must focus, he must keep moving. Maybe over that mound? He finally sees a hollow between a couple of rocks by a big dune, but the ants got there first. The new neighbors would be minute, but that is certainly a full house, and he doesn’t care for that. He must keep looking.

“The sun will be out soon, and I’ll be fine.”

Oh a nice sunbath and a gentle breeze, no more running around for a little while, the happiness of putting one’s eight feet up and relaxing. He can’t even feel them, numb from the cold. He has been running forever; how long has it been now? Four hours? Eight? The exhaustion keeps on playing tricks on his eyes. Was that a little speckle of light in the blackness?

“Could that possibly be Venus heralding the morning? Maybe Mercury? It can’t be that long now.”

He shivers and plows on, trying to avoid the remains of the less fortunate ones, for whom the night never came to an end. Torn wings, broken limbs, sometimes a soft and moribund buzzing comes down amid the sand and other debris. Trying to cross a graveyard can never be fun, but the problem is that the dead love company, and hungry scaled predators are eagerly waiting to make you join them.

“Must. Keep. Going.”

He finally sees it. First, a pale yellow hue, shortly followed by a healthy yolk-ish tone. Then, an explosion of oranges, and at last the reassurance of a plump half circle in a clear blue sky. This is the desert, folks, there are no larks to sing an ode to the morning, but it doesn’t really matter. Oh, it is finally here! The warmth runs through his body, from head to tail, in a toasty embrace of sunshine. Ah, life can be good. No more running away, no more running… no more moving at all?

That’s funny. At first, he thought his legs were too tired, but now they feel virtually glued to the sand. He tries to pull ahead with his claws, but they only drown deeper into the sand. The black licorice-like shell starts to turn into dark syrup, and all his eight knees buckle.

“No, oh no, this cannot be happening.”

Both claws are already halfway down the sand, quicksand, and unfortunately, he knows what comes next. His tail has never felt so heavy, and what is the point of carrying this kind of weight above one’s head for a lifetime anyway?

“Keep it up, man. Keep. It. Up…”

As the sun starts its long journey across the sky, the scorpion’s chitinous shell cannot withstand the heat. The long curved tail inevitably descends, and the venomous stinger slowly touches his head.

*

O dia seguinte

É areia, mas poderia ser melaço. As pernas insistem em patinar na escuridão granulosa, enquanto ele busca abrigo para passar a noite. Ele poderia tentar cavar uma toca, mas o vento congelante do deserto o envolve em um pequeno furacão glacial. O melhor a se fazer agora é encontrar um buraco ou uma caverna, antes que uma língua faminta o encontre antes.

– Mas logo amanhece, e vai dar tudo certo – ele diz.

Ele quase consegue sentir os primeiros raios do amanhecer penetrando sua armadura brilhante, o alívio de esticar as pernas e pinças à luz gloriosa do Sol. Mas agora precisa se concentrar, e continuar seguindo em frente. Talvez depois daquele morro? Ele finalmente avista um espaço oco entre as pedras, mas as formigas chegaram lá antes. As novas vizinhas seriam minúsculas, mas um é pouco, dois é bom, três mil é demais, e ele não está a fim. A busca continua.

– Daqui a pouco o Sol vem, e tudo se resolve.

Ah, um banho de Sol com uma brisa gentil, não ter mais que sair correndo, a alegria de botar os oito pés para cima e relaxar. Ele nem consegue mais sentir os pés, adormecidos pelo frio. Faz tanto tempo que está correndo! Quatro horas? Oito? Agora a exaustão prega peças em seus olhos. O que é aquele salpicado de luz na escuridão?

– Será que é Vênus anunciando a manhã? Talvez Mercúrio? Agora não vai demorar.

Ele treme e segue em frente, tentando evitar os restos dos menos afortunados, para quem a noite nunca teve fim. Asas rasgadas, membros quebrados, e às vezes um zumbido fraco e moribundo vêm junto com a areia e outros detritos. Tentar cruzar um cemitério nunca é uma tarefa prazerosa, mas o problema é que os mortos adoram companhia, e predadores escamosos e famintos não veem a hora de mandar você para o outro lado.

– Preciso… continuar…

E então ele finalmente vê. Primeiro, um toque tímido de amarelo, seguindo por um tom saudável de gema. Depois, uma explosão de laranjas e, por fim, a esperança de um meio círculo gordo no céu azul. Isso aqui é o deserto, amigos, não há cotovias para improvisar uma ode à manhã, mas não importa. Ah, ela finalmente chegou! O calor percorre o corpo dele, da cabeça à cauda, em um abraço morno de luz. A vida é boa. Chega de fugir, chega de correr… chega de se mexer?

Que estranho. Primeiro ele achou que as pernas estivessem cansadas demais, mas agora elas pareciam grudadas à areia. Ele tenta arrastar o corpo à frente usando as pinças, mas elas só afundam ainda mais. A carapaça de alcaçuz começa a se transformar em uma calda escura, e os oitos joelhos não resistem e vão ao chão.

– Ah, não, não. Isso não pode estar acontecendo.

As duas pinças já estão cobertas de areia, areia movediça, e infelizmente ele sabe o que vem por aí. A cauda nunca lhe pareceu tão pesada, e qual é o sentido de carregar esse peso todo acima da cabeça a vida inteira, hein?

– Segura, cara. Segura…

Enquanto o Sol começa sua longa jornada pelo céu, a carapaça quitinosa do escorpião não consegue suportar o calor. A cauda longa e curva inevitavelmente aponta para baixo, e o ferrão venenoso toca sua cabeça lentamente.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s